Já pensou em ver apenas uma continuação 54 anos depois do primeiro filme? Foi exatamente isso que aconteceu com “O Retorno de Mary Poppins”. Aproveitamos a sexta-feira antes do Natal e fomos assistir a mais nova aventura da babá perfeita.

Separe seu guarda chuva, sua pipa e vamos tomar um remédio com uma colher de açúcar.

O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns)
Ano:
2018
Gênero: Comédia, Musical, Fantasia
Tempo de Duração: 131 min
Atores: Emily Blunt, Lin-Manuel Miranda, Ben Whishaw e Pinguins!
Sinopse: Numa Londres abalada pela Grande Depressão, Mary Poppins (Emily Blunt) desce dos céus novamente com seu fiel amigo Jack (Lin-Manuel Miranda) para ajudar Michael (Ben Whishaw) e Jane Banks (Emily Mortimer), agora adultos trabalhadores, que sofreram uma perda pessoal. As crianças Annabel (Pixie Davies), Georgie (Joel Dawson) e John (Nathanael Saleh) vivem com os pais na mesma casa de 24 anos atrás e precisam da babá enigmática e o acendedor de lampiões otimista para trazer alegria e magia de volta para suas vidas.

Quem nunca viu um trecho de Mary Poppins precisa fechar esse post agora! A babá faz parte da cultura pop e é um dos mais icônicos personagens de Julie Andrews.

Quando a Disney anunciou que 50 anos depois iria preparar uma continuação, eu e boa parte da população ficou preocupado, mas ao anunciar o diretor, meu coração ficou mais tranquilo.

Depois de “Chicago“, que trouxe os musicais de volta a grande telona, Rob Marshall tinha minha confiança. E podemos dizer que alguns de seus pontos marcantes estão lá.

A história nos mostra as crianças Banks crescidas mas lidando com problemas que fazem com que Mary volte para a casa, em pedaços e complicada.

É ela que tenta mostrar a Michael que seus filhos estão precisando de atenção e para Jane que ela têm um pretendente. Só que tudo isso em meio a tentativa dos irmãos mais velhos em achar o certificado que o pai possuía de ações no banco para pagar a dívida.

Apesar do plot parecer pequeno, Marshall consegue colocar temperos em todas as histórias, com músicas bem interpretadas por Emily Blunt, que deu vida a Mary e Lin-Manuel Miranda, que vêm como Jack, um acendedor de lampiões.

É exatamente essa dupla que trás as melhores cenas do filme: “Can you imagine that” e “Trip a Little Light Fantastic”. Não vou colocar em que momentos essas músicas ocorrem, mas “A cover is not the book” é tão Chicago que até de cabelo curto Mary Poppins fica!

Sim, essa é uma faixa que remete tanto ao clássico de 64 quanto os filmes anteriores do diretor.

Fomos no cinema e muitos adultos estavam indo com seus avós e netos para reviver a beleza dos antigos filmes da Disney, e posso dizer gente, esse filme faz com que você fique com o coração quentinho.

Pode parecer longo? Pode, mas ele lhe pega pelos sentimentos sejam tristeza, aventura e romance, é tudo o que você quer naquele momento

PS: Não, não temos Julie Andrews fazendo participação, pois ela elegantemente disse que esse filme era para a Emily. E eu vi o filme em inglês!

Fique com o trailer:

E você, já pegou sua pipa ou balão, e foi ver Mary e seus amigos?