Quem foi criança nos anos 80/90 deve ter assistindo muito uma das primeiras heroínas dos horários da manhã, She-ra! Por sinal, eu já contei que era viciada nesse desenho. Então tirei meus preconceitos e assisti os primeiros episódios de “She-Ra e as Princesas do Poder”.

Desculpa gente, eu amo essa transformação

 

A primeira coisa que precisamos falar é sobre a origem do antigo desenho: She-ra foi criada pela Mattel em 1985, dois anos após o sucesso de He-man para vender bonecos para meninas. E isso explica minha paixão pelo Ventania.A história da jovem Princesa Adora foi exibida num especial de quase 2 horas chamado “O Segredo da Espada Mágica”, onde contam que a então capitã da Horda é na verdade a irmã raptada do Príncipe Adam, e ela passa a combater a antiga equipe que fazia parte para defender o Reino de Lua Clara.

Desculpa pessoal, mas eu tenho uma She-ra dessas

 

Com a idéia de Reboots, a Netflix anunciou que ia criar uma nova versão. E claro que os fãs como eu ficaram meio chocados com a troca do estilo: Da princesa forte e semi sensualizada para algo meio Steve Universe. Vale lembrar que isso é para se adequar o que a nova geração curte: veja os casos de Teen Titans Go.

Então ao assistir o primeiro episódio, que tem o mesmo nome do antigo filme, já temos um choque: Feiticeira, Principe Adam e Pacato não estão presentes. Eu sei que estamos falando da origem de uma nova Adora, mas gente ela tem seu gêmeo e eu torço muito para que nos próximos episódios ele apareça.

Chora não He-man!

 

Esse motivo da falta dos três acima é bem notado quando ela fala “Pela Honra de Greyskull”, e tipo, ela tá em Ethéria e não em Ethérnia!

Prometo não dar spoilers, mas uma da primeira coisas que podemos colocar é que essa Adora é mais inocente desde o início. Enquanto em 1980, as primeiras cenas mostram um lado perverso da personagem, aqui ela é uma jovem que desconhece os fatos que ocorrem fora dos muros da Horda.

Sentiu né?

 

Então apesar de ser a mesma personagem, não é a mesma leitura sabe? Estou até empolgada para saber qual será o seasson finale, após os 14 episódios. A diversidade em relação aos personagens, também é demais. Desculpe quem gostou da Cintilante, mas sou #TeamArqueiro.

Oi! Eu sou o novo Arqueiro.

 

Se você quiser saber mais sobre o seriado, que é feito pela Dreamworks, confira o trailer abaixo:

Já viu a série? Ficou triste com a música de abertura (Nada supera “I have the Power“)? Me conte nos comentários! Ah, e sim também tô triste porque tiraram a versão original da plataforma.